IML afirma que vítima de raio em Praia Grande não estava grávida


 

Litoral - 30/12/2014 - 18:34:46

 

IML afirma que vítima de raio em Praia Grande não estava grávida

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

O Instituto Médico Legal (IML) de Santos, no litoral de São Paulo, realizou uma série de exames que mostraram que Kátia Boaretto, uma das vítimas fatais do raio que caiu em Praia Grande, não estava grávida

O Instituto Médico Legal (IML) de Santos, no litoral de São Paulo, realizou uma série de exames que mostraram que Kátia Boaretto, uma das vítimas fatais do raio que caiu em Praia Grande, não estava grávida


O Instituto Médico Legal (IML) de Santos, no litoral de São Paulo, realizou uma série de exames que mostraram que Kátia Boaretto, uma das vítimas fatais do raio que caiu em Praia Grande, não estava grávida. A informação desmente a que havia sido divulgada pela Prefeitura da cidade de que ela estava gestante de cinco meses. 

O incidente aconteceu nesta segunda-feira, quando sete pessoas foram atingidas por um raio na praia de Boqueirão por volta das 14h30. O marido de Kátia, Luciano D'Alessandro, e os tios dela, Zenildo Tadeu Vieira e Andrea Boaretto, que a acompanhavam no passeio, também morreram instantaneamente. 

Três turistas também foram atingidas pelo raio. Geovanete Garrido Souza, 41, e suas duas filhas Mariana, 18, e Milena, 13, foram encaminhadas ao Hospital Municipal Irmã Dulce e já receberam alta. Elas são moradoras do município de Franca, localizado no interior paulista.

A outra vítima, a comerciante ambulante Regina Célia Freitas Nogueira, de 51 anos, continua em observação, no mesmo hospital, e não tem previsão de alta.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Câmara aprova decreto de intervenção no Rio de Janeiro


Vereadores petistas querem indenização da prefeitura de São Bernardo


MTST realiza discursos políticos contra reforma da Previdência em São Bernardo


MTST descumpre acordo e faz passeata em São Bernardo


Temer convoca Exército para intervir na segurança do Rio de Janeiro


Justiça manda Corinthians e Odebrecht devolverem R$ 400 milhões para a Caixa