A mulher do outro Brasil


 

Opinião - 15/05/2017 - 16:01:14

 

A mulher do outro Brasil

 

Léo Rosa de Andrade * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Léo Rosa de Andrade  é Doutor em Direito pela UFSC e Professor da UNISUL (SC)

Léo Rosa de Andrade  é Doutor em Direito pela UFSC e Professor da UNISUL (SC)


Costumava acordar pontualmente às cinco. Andava quase hora da periferia longínqua em que morava para as bordas mais distantes da cidade. Era de lá que o ônibus partia. Com alguma boa sorte, pegava um lugar.

Adormecer, ela adormeceria, era o cansaço. Se fosse em pé, dormiria mal; umas cochiladas, no amparo apertado do ônibus lotado. Viajar sentada era dormir com conforto duas, três, quatro horas até o emprego.

Melhor não poderia ser. Havia um problema, mas que não era de maior preocupação: passar do ponto; acontecia muita vez de não despertar. Restava muito bem, ainda que isso a afastasse boas pernadas do serviço.

Tinha licença para desjejuar no trabalho, e o fazia fartamente. Então, aos afazeres. A residência era grande, mas a patroa morava só; não cansava. Desgastante era o regresso, duas, três, quatro horas, em pé. Aí, doía só de pensar.

Chegava moída, lá pelas 22, depois de um trecho andado. Via o filho e as três filhas. O filho, mais velho, era avoado. Tomara uma moto emprestada, batera num carro. Fugiu. Mas a moto mesma, não tinha como pagá-la.

Duas dificuldades: o veículo era roubado, não podia ser reivindicado; o “dono” da rês alheia queria o que era “seu”, e tinha como cobrar. O problema tornou-se a mais cara prestação das obrigações da mulher. Foi quitando.

Mais grave, contudo, foi outro acontecimento. As janelas da casa ainda se fechavam por tábuas pregadas, mas já adquirira as aberturas; faltava colocá-las. Não fosse o fato de as terem roubado e a patroa já a teria ajudado.

Delegacia, boletim de ocorrência, depoimento. Nada. Sabe-se lá quem foi... Caso de esquecer. Um recurso: o chefe do tráfico. O filho intermediou a conversa. Foi lá. Contou a tristeza, até chorou. Promessa de ver solução.

Tudo investigado, Justiça feita. O larápio foi condenado à devolução, e melhor: tábuas lixadas, pintadas, colocadas. Honesta, foi à Delegacia, para que se evitasse trabalho, e também pra desafrontar o desmazelo com o seu caso.

Mas a mulher fazia ingênua confissão: terceirizara o exercício arbitrário das próprias razões. O pior só não aconteceu porque o delegado teve comiseração. Desentendeu o narrado, agradeceu o comunicado, arquivaria o inquérito.

Conta que saiu de tudo muito afortunada: no dia da visita reclamatória à autoridade do local, levara a filha, que era bonita. O moço que ouviu suas queixas mostrou escuta com atenção, mas seus olhos grudaram na menina.

A mãe fez que não viu; a filha saiu contente. O caso prosperou: namoro. Bem bom que tenha acontecido. Ela já tem idade, quase formada. O rapaz é sério e com meios. Tem alguma coisa de errado? Pode ter, mas quem não tem?

Foi convidada pelo genro. Conversa particular. Estava tudo acertado: não devia mais as parcelas da moto. O filho tinha que ser homem. Foi combinado que pagaria com serviços, e ainda ia sair no ganho, até podia ajudá-la.

Pensou e, é certo, entendeu. Mas, que fazer? Era o destino se mostrando, estava fora do seu controle. E há males que vêm pra bem. Ademais, o filho já ia naquela direção. Quanto à menina, um pedido: que se formasse.

Pensou até em se aconselhar com a patroa. Alguma culpa estava lhe pesando. E tudo aconteceu muito rápido, ficou desatinada. Mas, não; melhor não. Não seria entendida, mesmo que se esforçasse com a melhor explicação.

Chegou a sonhar com a conversa nos solavancos da locomoção para o emprego. Sonhou que tudo foi confusão, como se ela falasse numa língua não compreendida. Viu que a patroa fazia esforço, mas não a entendia.

Pensou que as horas de condução a transportavam entre dois Brasis. Explicou-se o seu sonho. Ela morava num país; a patroa morava noutro. Nalgumas coisas não se iriam entender. Sorriu: estava em viagem internacional.

Então, chegou contando, toda feliz: a filha namorava um empresário de sucesso nos negócios locais, o filho estava encaminhado. Faltavam as pequenas, só; era esperar para ver. Na retorno, o sorriso se esvaneceu.

* Léo Rosa de Andrade  é Doutor em Direito pela UFSC e Professor da UNISUL (SC)

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Invasores do MTST conseguem mais 120 dias no terreno em São Bernardo


Show de Caetano aconteceu no Largo da Batata, em São Paulo, em apoio ao MTST


Clima natalino chega a São Bernardo com “Luz, Câmera, é Natal!”


Alerta contábil: notas fiscais terão nova validação em 2018


MTST ocupa Secretaria em SP por tempo indeterminado por causa da invasão em São Bernardo


Trump confirma que EUA reconhecem Jerusalém como capital de Israel