Melhores destinos para estudar e trabalhar no exterior


 

Opinião - 22/06/2017 - 09:47:10

 

Melhores destinos para estudar e trabalhar no exterior

 

Pablo Pereira * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 


Fazer um intercâmbio que, além do estudo, ofereça a possibilidade de trabalho no exterior tem se tornado praticamente um requisito para muitos estudantes que buscam essa experiência. Dentre os principais atrativos estão a possibilidade de rentabilizar parte da viagem e ainda ter uma vivência profissional no currículo. Contudo, antes de tomar uma decisão é preciso conhecer bem quais são os melhores destinos e condições para essa modalidade de intercâmbio.

Países como Irlanda, Austrália, Nova Zelândia e Canadá tem se destacado nesse quesito ao oferecer excelentes oportunidades de trabalho aos intercambistas brasileiros. Confira!

Irlanda – a permissão de trabalho é fornecida para estudantes matriculados em curso de inglês pelo período de seis meses. O aluno pode trabalhar 20 horas semanais durante o período de aula e 40 horas semanais durante o período de férias, desde que as férias coincidam com o período entre maio e setembro (verão irlandês) ou recesso de fim de ano (entre 15 de dezembro e 15 de janeiro). O aluno tem a facilidade de tirar o visto já na Irlanda e permissão para ficar oito meses no país, seis meses de aula e dois meses de férias. Achar trabalho no país também não é difícil. Os mais comuns são os informais, como au pair (babá), bartender, garçom, atendente de empresas e estabelecimentos comerciais. Você também pode encontrar um emprego na sua área de formação ou em empresas que precisam de profissionais com português fluente.

Austrália – nesse caso, o estudante brasileiro precisa estar matriculado em um curso de inglês com duração a partir de 14 semanas e com carga horária mínima de 20 horas semanais. Com isso, a permissão para trabalho é de 40 horas a cada duas semanas. Já durante as férias, que tem duração de um mês após o termino do período de aulas, é permitido trabalhar em período integral. Quanto ao visto, diferente do que ocorre na Irlanda, ele precisa ser tirado no Brasil. Uma boa oportunidade no país é o programa do Barton International College em Sydney, que inclui o curso de inglês e o seguro saúde governamental. Mas, se sua intenção é fazer um curso superior, de graduação ou pós, é preciso ficar atento, pois as regras para trabalho são diferentes.

Nova Zelândia – assim como na Austrália, para ter a permissão de trabalho na Nova Zelândia, o intercambista precisa estar matriculado em um curso com duração superior a 14 semanas. Assim, poderá trabalhar por até 20 horas semanais durante o período de aulas. Já para ter o direito de trabalho em período integral durante as férias, o curso deve ter duração mínima de 12 meses. Por ser um país turístico, há ofertas de trabalho o ano todo e ainda mais no verão, quando a demanda cresce dentro do setor hoteleiro. Dentre os trabalhos mais comuns estão os de recepcionista, bartender, faxineira, ajudante de cozinha, preparador de sanduíches, entregador e atendente de lojas.

Cada país tem suas regras e suas particularidades e o tempo para se conseguir um emprego ao chegar ao destino, varia muito conforme a época do ano, cidade, empenho do aluno e nível de inglês. Por isso, é importante que o aluno já tenha um currículo bem elaborado, converse antes com algumas pessoas em busca de indicações e procure uma agência de intercâmbio confiável, para que assim adquira todas as informações e suporte necessário para fazer essa escolha.

* Pablo Pereira é gerente de produtos da Global Study, franquia de intercâmbios.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Invasores do MTST conseguem mais 120 dias no terreno em São Bernardo


Show de Caetano aconteceu no Largo da Batata, em São Paulo, em apoio ao MTST


Clima natalino chega a São Bernardo com “Luz, Câmera, é Natal!”


Alerta contábil: notas fiscais terão nova validação em 2018


MTST ocupa Secretaria em SP por tempo indeterminado por causa da invasão em São Bernardo


Trump confirma que EUA reconhecem Jerusalém como capital de Israel