Planilhas da JBS registram repasses a políticos


 

Opinião - 01/08/2017 - 01:16:03

 

Planilhas da JBS registram repasses a políticos

 

Júlio César Cardoso * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Júlio César Cardoso - Bacharel em Direito e servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso - Bacharel em Direito e servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC


Qual o politico do alto escalão (e até do baixo clero) que não recebeu propina para as suas campanhas políticas? Propina, sim, pois caixa dois é dinheiro sujo. O político que não tiver culpa em cartório que atire a primeira pedra!

A fortuna acumulada por grupos como JBS e Odebrecht é decorrente das facilidades que as empreiteiras encontraram no submundo da política nacional ao firmarem contratos espúrios com órgãos públicos, mediante o pagamento de propina a políticos e partidos, que serviram para bancar as suas campanhas milionárias políticas.


Vejam abaixo, para reflexão, a notícia da Folha de S.Paulo

“Planilhas da JBS registram repasses de R$ 1,1 bilhão", afirma revista Época

Revista Época

Documentos publicados pela revista "Época" neste sábado (29) mostram como a JBS organizava pagamentos a políticos. As planilhas com a contabilidade detalhada fazem parte do material que a empresa entregará à Procuradoria-Geral da República como parte de seu acordo de delação, segundo a revista.

As tabelas têm informações que abrangem desde a eleição municipal de 2006 até a campanha de 2014. Nos últimos 11 anos, os repasses chegaram a R$ 1,1 bilhão, de acordo com os papéis. A empresa também apresentará comprovantes bancários, notas fiscais e contratos.

A pedido do presidente Michel Temer (PMDB), diz a revista, foram distribuídos R$ 21,7 milhões para aliados. Também são mencionados o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com recebimento de R$ 50 milhões, e o senador Aécio Neves (PSDB-MG), com R$ 18 milhões, entre outros. Para o PT, de acordo com os documentos, foram US$ 151 milhões pagos no exterior e R$ 111,7 milhões no Brasil.

O executivo Ricardo Saud, delator da JBS, já havia revelado o pagamento de propina a 1.829 candidatos eleitos.

Procurados, os políticos citados negaram envolvimento no esquema e afirmaram só receber doações legais.”

A farra de dinheiro ilícito a políticos não foi uma exclusividade da JBS. Vejam o que afirmou Marcelo Odebrecht, executivo da empreiteira: “Duvido que tenha  um político no Brasil que tenha se eleito sem caixa dois, e, se ele diz que se elegeu sem, é mentira porque recebeu do partido. Então, impossível."

* Júlio César Cardoso - Bacharel em Direito e servidor federal aposentado - Balneário Camboriú-SC

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Câmara aprova decreto de intervenção no Rio de Janeiro


Vereadores petistas querem indenização da prefeitura de São Bernardo


MTST realiza discursos políticos contra reforma da Previdência em São Bernardo


MTST descumpre acordo e faz passeata em São Bernardo


Temer convoca Exército para intervir na segurança do Rio de Janeiro


Justiça manda Corinthians e Odebrecht devolverem R$ 400 milhões para a Caixa