Após declaração de Trump sobre Venezuela, Itamaraty diz que uso da força é inaceitável


 

Nacional - 12/08/2017 - 14:50:40

 

Após declaração de Trump sobre Venezuela, Itamaraty diz que uso da força é inaceitável

Após declaração de Trump sobre Venezuela, Itamaraty diz que uso da força é inaceitável

 

Da Redação com Abr

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Itamaraty em Brasília-DF

Itamaraty em Brasília-DF


Depois de o presidente americano Donald Trump afirmar que não descarta uma "opção militar"  na Venezuela, o Ministério das Relações Exteriores brasileiro divulgou nota para reafirmar que a posição do Mercosul é de “repúdio à violência e qualquer opção que envolva o uso da força” no país vizinho.

Na nota, o Itamaraty lembra que o Mercosul já decidiu, no último dia 5, manter a Venezuela suspensa do bloco em razão da ruptura democrática no país vizinho e que “desde então, aumentaram a repressão, as detenções arbitrárias e o cerceamento das liberdades individuais”.

O ministério pontua que os países do Mercosul consideram que os únicos instrumentos viáveis para a promoção da democracia na Venezuela são o diálogo e a diplomacia.

“Os países do Mercosul continuarão a insistir, de forma individual e coletiva, para que a Venezuela cumpra com os compromissos que assumiu, de forma livre e soberana, com a democracia como única forma de governo aceitável na região. O governo venezuelano não pode aspirar ao convívio normal com seus vizinhos na região enquanto não for restaurada a democracia no país”, afirma ainda a nota do Itamaraty.

Nesta sexta-feira (11), o governo peruano também anunciou a expulsão do embaixador da Venezuela em Lima. A decisão foi tomada após uma nota de protesto ser emitida pelo governo de Caracas em razão da Declaração de Lima – documento assinado pelos chanceleres de 17 países da América Latina considerando que não existe democracia na Venezuela.

A Nota (262) do Itamaraty

A decisão de suspender a Venezuela em aplicação do Protocolo de Ushuaia sobre Compromisso Democrático no Mercosul foi tomada, em 5 de agosto, em decorrência da constatação de que ocorreu uma grave ruptura da ordem democrática naquele país. Desde então, aumentaram a repressão, as detenções arbitrárias e o cerceamento das liberdades individuais. As medidas anunciadas pelo governo e pela assembleia nacional constituinte nos últimos dias reduzem ainda mais o espaço para o debate político e para a negociação.

Os países do Mercosul continuarão a insistir, de forma individual e coletiva, para que a Venezuela cumpra com os compromissos que assumiu, de forma livre e soberana, com a democracia como única forma de governo aceitável na região. O governo venezuelano não pode aspirar ao convívio normal com seus vizinhos na região enquanto não for restaurada a democracia no país.

Ao mesmo tempo, os países do Mercosul consideram que os únicos instrumentos aceitáveis para a promoção da democracia são o diálogo e a diplomacia. O repúdio à violência e a qualquer opção que envolva o uso da força é inarredável e constitui base fundamental do convívio democrático, tanto no plano interno como no das relações internacionais.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias



Tribunal de Contas fiscaliza as condições da merenda em 250 escolas na Grande São Paulo


Fãs fazem vigília e lembram 40 anos da morte de Elvis Presley


TRF4 mantém prisão preventiva do ex-ministro Antonio Palocci


MPF denuncia ex-ministro Geddel Vieira Lima por obstrução de Justiça


PMDB marca convenção para voltar a usar a sigla MDB


Presidente do Senado acha 'muito difícil' a volta de financiamento empresarial de campanha