O emprego das tropas federais
SBC


 

Opinião - 01/01/2018 - 13:17:44

 

O emprego das tropas federais

 

Da Redação .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)


Merece toda a atenção da comunidade, principalmente dos governos estaduais, a manifestação do comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, preocupado com o emprego frequente do Exército na manutenção da segurança pública. Através do Twitter, o militar lembrou que é a terceira vez em 18 meses que as tropas federais são deslocadas para o Rio Grande do Norte com a finalidade de suprir a falta da polícia estadual em greve. Isso também ocorre no Rio de Janeiro e recentemente foi registrado no Espírito Santo. Embora existam para atuar supletivamente, o uso frequente ou continuado dessas tropas torna-se preocupante. Em vez de deslocadas em apoio, estão elas sendo levadas a substituir as polícias locais cujos integrantes, insatisfeitos, recorrem à paralisação.

A insatisfação é uma tônica nas polícias civis e militares das 27 unidades federativas. Todas clamam por melhores salários e condições eficientes e dignas de trabalho. Os governos, seus patrões, alegam falta de recursos e, muitas vezes, recorrem a abonos e outras mágicas que em vez de resolver os problemas, acabam criando mais dificuldade. Os recursos operacionais, embora sejam frequentemente citados em propaganda oficial, são aquém das necessidades e aumentam o risco da profissão. Policiais com viaturas e armamento simples e até deficiente são levados a enfrentar as quadrilhas superequipadas e dotadas de logística como aquelas que ousam assaltar transportadoras de valores, bancos e, para garantir a fuga, metralham as unidades e viaturas policiais.

Com parcos recursos para o trabalho, salário incompatível com o risco de sua atividade, falta de reajuste determinado por lei (como é o caso de São Paulo), o policial sente-se abandonado pelo seu empregador e, sempre que pode, migra para outras profissões ou carreiras. Os que não conseguem mudar, atuam insatisfeitos e frustrados. O número de suicídios na classe é prova disso. Sem falar da perseguição que sofrem quando ocorrem confrontos e suas atitudes são francamente contestadas pelos inimigos da corporação, muitos deles parceiros políticos do governo-patrão.

Desde a redemocratização, as polícias têm sido prejudicadas pela postura demagógica dos governos ditos democráticos. Os governantes estaduais precisam compreender que manter a polícia em boas condições é sua obrigação. Deixá-la entregue à própria sorte é a mais perigosa das opções...

Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br 

 



;

Links
Vídeo
SBC


Últimas Notícias



Em São Bernardo, roda de Capoeira é atração do fim no Riacho Grande


Pioneira na região metropolitana, São Bernardo lança biometria facial nos ônibus para gratuidades


Prefeito Orlando Morando vistoria obras de duplicação do viaduto Teresa Delta


Conta de luz subirá até 3,86% com reajuste de receita de hidrelétricas


Inscrições para Fies estão abertas a partir de hoje


MEC divulga resultado da segunda chamada do ProUni