Bolsonaro oficialmente no PSL


 

Politica - 09/03/2018 - 04:25:23

 

Bolsonaro oficialmente no PSL

 

Da Redação com InfoMoney

Foto(s): Arquivo

 

Deputado Jair Bolsonaro, agora pré-candidato a presidente pelo PSL

Deputado Jair Bolsonaro, agora pré-candidato a presidente pelo PSL


Ovacionado por entusiastas, o deputado Jair Bolsonaro oficializou ontem sua filiação ao PSL, partido pelo qual deverá disputar a presidência em outubro. Em um discurso de cerca de 40 minutos, além da defesa de bandeiras como o armamento da população e a recusa ao casamento de pessoas do mesmo sexo, o parlamentar adotou tom defensivo no campo econômico. Após admitir não entender muito do assunto, ele evitou críticas às privatizações, mas defendeu que "o que é estratégico tem que ser preservado". Os novos passos do parlamentar movimentam o tabuleiro eleitoral e trazem novos desafios aos esforços de manter uma candidatura competitiva a despeito das adversidades.

"Fica nítida a dificuldade que ele deve enfrentar na busca do eleitor menos extremo quando se escutam as falas de todos os seus aliados, com discursos carregados de manifestações nacionalistas, religiosas e focadas em costumes -- além de um apelo ao uso da força extrema no combate à violência".

"Bolsonaro nitidamente tentou ser mais construtivo que a média, buscando uma cor liberal em seu discurso. Mencionou Paulo Guedes em um trecho e fez referência à sua viagem aos Estados Unidos para conversar com o mercado financeiro. Falou em privatizar 'o que não for estratégico'. O silêncio dos aliados e da plateia quando a fala saía dos assuntos extremos mostra o descolamento de seu discurso em relação a seus eleitores, e mesmo de sua potencial base de apoio no Congresso, o que só evidencia o tamanho do desafio da governabilidade, que ele mesmo mencionou", disseram especialistas.

A marcha em direção à centro-direita com a adoção de um discurso mais liberal na economia não é o único desafio a Bolsonaro. Embora adote posições enfáticas no tema que deverá dominar o debate eleitoral (segurança pública), o capitão reformado enfrentará os desafios de concorrer por um partido pequeno, com baixa estrutura, em um país continental. O pouco tempo nas emissoras de rádio e televisão durante o horário eleitoral gratuito e os recursos reduzidos do PSL deverão exigir criatividade do parlamentar para alcançar uma nova faixa do eleitorado e evitar uma desidratação de sua própria base ao longo do período de campanha.

"A principal deficiência de Bolsonaro é a modestíssima estrutura de campanha que ele deve contar. Ele deverá ter 1% do tempo de televisão, o que significa 10 segundo em cada um dos blocos, com uma inserção a cada dia e meio", observou Ricardo Ribeiro, analista político da MCM Consultores. Além de poucos recursos o presidenciável contará com uma baixa estrutura de candidatos, prefeitos e governadores, que poderiam trabalhar com ele e por ele na campanha. Antes da migração de Jair Bolsonaro e seu filho, o também deputado Eduardo Bolsonaro, o PSL não teria garantido por lei espaço nos debates televisivos. Com a abertura da janela de migrações partidárias, é possível que o quadro se altere e o partido amplie sua bancada.

"No curto prazo, o desafio de Bolsonaro é tentar criar uma estrutura de campanha presidencial por um partido pequeno. Trata-se de projeto ambicioso. A construção de uma candidatura presidencial é uma engenharia complexa, que envolve alianças em estados, por exemplo", explicou o analista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria. Para ele, o capitão reformado deverá se manter nos atuais patamares nas pesquisas de intenção de voto até o início do período de campanha. Aí, entraria o segundo grande desafio: minimizar a falta de tempo de televisão. Embora tal mecanismo tenha perdido relevância nos últimos anos, ele segue sendo um importante motor para as candidaturas, sobretudo quando se lembra dos recursos financeiros limitados neste pleito. Ainda assim, os possíveis efeitos sobre a competitividade de Bolsonaro não são claros.

"Não parece que esse limite de tempo de televisão vai desidratar sua candidatura. Existe um mercado eleitoral relevante para uma terceira força, em decorrência de um governo mal avaliado e crise de partidos tradicionais. Bolsonaro pode estar no segundo turno. Isso ganha chances com possível fragmentação da centro-direita. Por outro lado, essas restrições podem prejudicar seu crescimento, de mobilizar eleitores adicionais. A exposição será baixa e ele não conseguirá se contrapor a ataques", avaliou Cortez. Em um cenário de aglutinação da centro-direita, o deputado corre maiores riscos.

Já Ricardo Ribeiro acredita que o deputado não conseguirá sustentar seu atual patamar. "Há a questão de sua força nas redes sociais. Obviamente que neste ano a influência das redes é muito maior que em 2014, mas, levando em conta a disparidade dos recursos nos meios tradicionais, pode não ser suficiente para ele resistir à pancadaria que vai receber", disse. Além disso, ele chama atenção para o fato de os outros candidatos também começarem a ocupar as redes sociais ao longo da campanha, e com mais recursos financeiros.

No caso da agenda de segurança pública, nas últimas semanas Bolsonaro perdeu o quase monopólio que tinha sobre o assunto com a intervenção federal no Rio de Janeiro, embora o tema tenha conquistado uma dimensão ainda maior com a alção do governo. Até o momento, contudo, a iniciativa não rendeu grande capital político ao presidente Michel Temer, o que é boa notícia ao parlamentar. A pergunta que fica é: sua supremacia neste campo durará até outubro?

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



MST e outros seis movimentos declaram apoio a França


Dólar fecha em queda e Bovespa sobe 2,83%


Governo decide manter começo do horário de verão em 4 de novembro


BTG Pactual/FSB: Jair Bolsonaro tem 59% dos votos válidos; Haddad, 41%


Boleto acima de R$ 100 poderá ser pago em qualquer banco


Carla Morando está na liderança para estadual no Grande ABC