-->


 

Opinião - 15/04/2021 - 11:43:22

 

Com pandemia, líderes têm que estar preparados para realizar mudanças com resultados e engajamento em suas empresas

 

Por Niviani Rudek (*) com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Niviani Rudek

Niviani Rudek


A pandemia trouxe um cenário de mudança geral para a sociedade e, para o mundo corporativo, não foi diferente. Diante da necessidade de tantas transformações com o atual momento, o papel do líder na empresa se tornou ainda mais estratégico. Ainda que com adaptações, a liderança em uma empresa tem se mostrado cada vez mais essencial no sentido de provocar as mudanças necessárias para a atuação da empresa não apenas em projetos específicos, mas em relação ao funcionamento de todas as suas atividades. Essa função também passou a exigir novas capacidades e habilidades para conduzir os colaboradores no atual cenário. 

Uma pesquisa da consultoria Olivia com 150 executivos de sete países da América Latina apontou que para 63% deles a crise acelerou transformações dentro da empresa. Entre as principais competências necessárias apontadas para os líderes estão a criatividade (67%) e a gestão de mudanças (59%). Entre os principais processos a serem desenvolvidos está a liderança de equipes virtuais (68%) e entre os desafios a habilidade para gestão virtual de equipes (58%) e a manutenção do engajamento da equipe (57%).

O fato é que a pandemia tem provocado uma transformação no mundo corporativo com grande agilidade e, portanto, se fazem ainda mais necessários líderes que consigam lidar com o dinamismo das mudanças, com a possibilidade de integrar suas equipes mesmo à distância e ainda conduzir processos que ofereçam resultados para as empresas. Afinal, com as transformações contínuas, é preciso estar preparado para mudar os rumos de ideias e projetos e até mesmo de planejamentos necessários para a empresa de forma organizada e ágil.

A gestão de mudanças apontada na pesquisa visa reduzir o impacto das novidades, diminuindo a resistência dos colaboradores e trazendo maior engajamento. Mas esse é um processo longo, que exige um trabalho em equipe e muito preparo por parte dos líderes. E isso não vale apenas para o presidente ou diretores de uma empresa, mas também para gerentes, coordenadores ou mesmo líderes em pequenos grupos ou em projetos pontuais.

Baseado em um levantamento da empresa Prosci, trago algumas competências que os líderes precisam desenvolver e que são essenciais para a gestão de um projeto ou mesmo do dia a dia das equipes ou da empresa como um todo.

A comunicação é um item fundamental e contínuo nesse processo, afinal, o colaborador precisa entender qual o objetivo de uma determinada mudança, quais as metas a serem atingidas e onde se quer chegar. É preciso que o colaborador compreenda a importância do projeto e o seu papel nesse processo para que haja engajamento e, dessa forma, ele se sinta motivado a produzir com mais qualidade. Para isso, o líder deve estar preparado para argumentar e oferecer suporte a uma determinada mudança. Mas é importante ficar claro que o próprio líder precisa acreditar e estar engajado com o projeto para que o efeito seja o esperado entre os colaboradores.

Com a consciência da importância de uma determinada mudança, o líder deve treinar seus colaboradores, transmitindo seus conhecimentos no processo. Em um momento de distanciamento social, conversas individuais por ferramentas de vídeo, mensagens ou por telefone podem ser importantes ferramentas. O líder mais próximo da equipe é aquele com melhores condições de verificar o andamento de um determinado projeto, com o acompanhamento de atividades e de desempenho. Cabe a ele também identificar problemas e resistências individuais ou coletivas que podem estar impedindo a equipe de alcançar os caminhos para os melhores resultados. Para isso, o diálogo é imprescindível, inclusive com outros líderes da empresa e colaboradores que não estejam envolvidos em determinado projeto.

O momento atual exige diversos tipos de habilidades para os líderes. E nem sempre estamos preparados ou temos condições para lidar com todas elas. Poder contar com a ajuda de uma equipe especializada em gestão de mudanças que não esteja internalizada na própria empresa pode ser uma saída interessante para o negócio. Afinal, o olhar de fora de alguns profissionais preparados com estratégias de comunicação, gestão de pessoas e indicadores de desempenho, podem identificar problemas que não são facilmente perceptíveis ou que encontram dificuldades de serem superados. O trabalho de gestão de mudanças também pode colaborar para potencializar e preparar melhor os líderes nesse processo. Por isso, estar atento às necessidades e demandas da empresa e buscar um rumo para solucioná-lo é essencial. Afinal, em um período de tantas transformações, quem não implementar mudanças contínuas e não tiver capacidade de se adaptar aos desafios pode ficar para trás.

* Niviani Rudek é diretora de operações da Gateware.

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



Variante do coronavírus descoberta na Índia preocupa o Brasil e o mundo


Saúde foi alertada 7 vezes sobre escassez de medicamentos para intubação


CPI da Covid: entenda o que STF garantiu a Pazuello e por que ele terá de ir à comissão mesmo assim


Hospital de Urgência de São Bernardo comemora 1º ano de funcionamento com média de 10 vidas salvas por dia


Covid: Médico pode ser processado se receitar tratamento ineficaz, alertam especialistas


CPI da Covid: executivo da Pfizer confirma que governo Bolsonaro ignorou ofertas de 70 milhões de doses de vacinas