-->


 

Internacional - 02/05/2021 - 09:05:36

 

Covid na Índia: com 3,6 mil vítimas, país bate seu recorde de mortes em um dia

 

Da Redação com BBC Brasil

Foto(s): EVA

 

Hospitais estão lutando para tratar pacientes em meio à falta de leitos e oxigênio médico

Hospitais estão lutando para tratar pacientes em meio à falta de leitos e oxigênio médico


O ministério da Saúde disse neste domingo (02/05) que 3.689 pessoas morreram nas últimas 24 horas.

O número ainda é inferior ao registrado por Brasil no começo de abril e pelos Estados Unidos em janeiro. Ambos os países registraram mais de 4 mil mortes em um só dia.

O primeiro-ministro Narendra Modi encontrou-se com o ministro da Saúde na manhã de domingo para revisar as medidas tomadas diante da crise.

Os hospitais estão tendo dificuldades para tratar os pacientes em meio a uma escassez crônica de leitos e oxigênio medicinal.

Em meio à crise, começou no domingo a contagem dos votos para eleições que foram realizadas em cinco Estados em março e abril.

Os resultados podem refletir como a pandemia afetou o apoio a Modi e seu partido nacionalista hindu, o BJP. Modi foi criticado por permitir que as pessoas se reunissem em comícios políticos em março e abril, com mínimo distanciamento social e pouquíssimo uso de máscaras.

A Índia registrou desde o começo da pandemia mais de 19 milhões de casos de coronavírus — perdendo apenas para os EUA (onde houve mais de 32 milhões de casos até agora). O governo também confirmou mais de 215 mil mortes, embora o número real seja considerado muito maior.

Os especialistas citam as baixas taxas de teste e o número de pessoas que morrem em casa, especialmente nas áreas rurais, como fatores que contribuem para os números estarem subnotificados.

O número anterior de mortes diárias mais alto no país, também relatado esta semana, foi de 3.645.

O Brasil e os Estados Unidos registraram taxas diárias de mais de 4 mil durante a pandemia.

Na Índia, imagens angustiantes de famílias implorando por leitos hospitalares e suprimentos que salvam vidas vêm surgindo há mais de 10 dias, enquanto necrotérios e crematórios permanecem sobrecarregados.

Doze pessoas morreram no sábado no Batra Hospital de Delhi depois que o lugar ficou sem oxigênio pela segunda vez em uma semana.

O jornal The Times of India relatou 16 mortes no Estado de Andhra Pradesh, no sul, devido à escassez de oxigênio em dois hospitais e seis no subúrbio de Gurgaon, em Delhi.

A Suprema Corte de Delhi declarou agora que começará a punir as autoridades se os suprimentos vitais não chegarem aos hospitais.

Como está a vacinação na Índia?

Todos os adultos na Índia podem receber vacina contra o coronavírus. Mas o lançamento planejado de uma campanha nacional no sábado fracassou, já que vários Estados disseram que não tinham doses suficientes para começar a vacinar as pessoas com idade entre 18 e 44 anos.

Apesar de ser o maior produtor mundial de vacinas, o país está sofrendo com uma escassez interna e suspendeu temporariamente todas as exportações da vacina da AstraZeneca para atender à demanda interna.

O Ministério da Saúde disse no domingo que 84.599 pessoas nessa faixa etária receberam a primeira dose da vacina contra o coronavírus.

A Índia tem usado duas vacinas: a vacina Oxford-AstraZeneca (conhecida localmente como Covishield) e outra feita pela empresa indiana Bharat Biotech (Covaxin). A vacina russa Sputnik V também foi aprovada para uso, e as primeiras 150 mil doses chegaram no sábado.

O que outros países estão fazendo para ajudar?

Diversos países enviaram uma enxurrada de suprimentos médicos de emergência. Até quinta-feira, 40 países haviam enviado ajuda.

O primeiro de vários aviões dos Estados Unidos carregando cilindros de oxigênio, máscaras e testes de diagnóstico rápido chegou a Delhi na sexta-feira.

"O vínculo entre a democracia mais antiga e a maior continua se fortalecendo", tuitou o ministério da Saúde da Índia.

Os EUA já haviam sido criticados por proibir o envio de matérias-primas para vacinas no exterior, o que limitou a capacidade da Índia de produzir mais doses da AstraZeneca. A medida foi suspensa na semana passada.

Uma aeronave militar alemã com 120 ventiladores chegou à Índia no sábado, enquanto o Reino Unido também enviou centenas de equipamentos médicos.

Por que a Índia não está adotando lockdown nacional?

O governo central reluta em impor um lockdown nacional, que o primeiro-ministro chamou de "último recurso". Os principais líderes temem o impacto econômico, depois que o lockdown do ano passado viu a produção da Índia cair um recorde de 24% em abril-junho em comparação com o ano anterior.

O custo humano também pode ser grave. O lockdown nacional de 68 dias no ano passado viu milhões de trabalhadores migrantes da Índia fazerem jornadas árduas de volta às suas aldeias natais depois de se encontrarem desempregados e sem dinheiro.

Os pobres, especialmente crianças subnutridas e mulheres grávidas que dependem de programas do governo, têm dificuldade de acessar os benefícios. Os programas de imunização foram interrompidos e aqueles que sofriam de doenças graves nem sempre conseguiam ter acesso a serviços de saúde essenciais.

Mas vários Estados têm restrições em vigor.

O Estado de Odisha foi o último a anunciar um lockdown de duas semanas, juntando-se a Delhi, Maharashtra, Karnataka e Bengala Ocidental.

Outros Estados, incluindo o populoso Uttar Pradesh, têm toque de recolher noturno ou lockdowns nos finais de semana.

O Dr. Anthony Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas dos EUA, disse no sábado que uma paralisação "imediata" por "algumas semanas" poderia interromper a cadeia de transmissão na Índia.

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



Variante do coronavírus descoberta na Índia preocupa o Brasil e o mundo


Saúde foi alertada 7 vezes sobre escassez de medicamentos para intubação


CPI da Covid: entenda o que STF garantiu a Pazuello e por que ele terá de ir à comissão mesmo assim


Hospital de Urgência de São Bernardo comemora 1º ano de funcionamento com média de 10 vidas salvas por dia


Covid: Médico pode ser processado se receitar tratamento ineficaz, alertam especialistas


CPI da Covid: executivo da Pfizer confirma que governo Bolsonaro ignorou ofertas de 70 milhões de doses de vacinas