-->


 

ABCD - 13/12/2018 - 07:38:02

 

Átila, prefeito de Mauá, é preso novamente e PF faz buscas em gabinetes de 22 vereadores

 

Da Redação com agências

Foto(s): Marcelo Gonçalves / Sigmapress / Folhapress

 

Prefeito de Mauá, Átila Jacomussi, é preso novamente

Prefeito de Mauá, Átila Jacomussi, é preso novamente


A PF prendeu na manhã de quinta-feira, 13, o prefeito de Mauá, Átila Jacomussi, PSB, e o ex-secretário de governo da cidade João Eduardo Gaspar durante a operação Trato Feito. De acordo com informações, a investigação aponta que nove empresas, de diferentes ramos de atividade, pagavam propina mensal para o prefeito.

A juíza federal Raquel Silveira, do TRF-3 autorizou o cumprimento de mandados de busca e apreensão nos gabinetes de 22 dos 23 vereadores da cidade de Mauá. A PF também cumpriu mandados de busca na Prefeitura de Mauá, na sede da Sama (Saneamento Básico do Município de Mauá) e na casa de Ione Scapinelli, coordenadora da Secretaria de Governo de Mauá, e um no Espírito Santo. No total, são 54 mandados de busca e apreensão.

A operação do dia 13 é um desdobramento da Prato Feito deflagrada em maio, que investigou desvio de verbas federais destinadas à compra de merenda escolar em três estados, São Paulo, Paraná e Bahia, além do Distrito Federal.

Na operação de maio, os investigadores apreenderam na casa de João Eduardo Gaspar diversos documentos, planilhas, listas e manuscritos que apontava, de acordo com a PF, um esquema de corrupção que envolveria o prefeito Átila Jacomussi, o ex-secretário de governo e 22 dos 23 vereadores de Mauá.

A defesa do prefeito disse, por nota, que PF só "requentou" fatos já revogados pelo STF. O advogado de Gaspar disse que está tomando ciência das acusações para depois se manifestar.

O Esquema

A PF informou que as nove empresas, que mantêm contratos de prestação de serviço ou de fornecimento de materiais para a Prefeitura de Mauá, pagavam propina mensal para Átila Jacomussi e que ex-secretário de governo redistribuía os valores aos outros integrantes do grupo. Os valores da propina variavam de 10% a 20% do valor dos contratos. Os escritórios das empresas também são alvo de buscas.

A investigação indica que as nove empresas pagavam para comprar apoio e conseguir contratos superfaturados junto à prefeitura.

Em maio, durante a Operação Prato Feito, Átila Jacomussi e João Eduardo Gaspar já tinham sido presos em flagrante por corrupção. Na casa de Jacomussi, a PF apreendeu R$ 85 mil em dinheiro e com Gaspar, os investigadores encontraram R$ 588 mil e quase € 3 mil em espécie. A ordem de prisão preventiva contra Jacomussi e Gapar foi revogada no dia 15 de junho de 2018 por um habeas corpus do ministro Gilmar Mendes, do STF.

O TRF3, então, impôs cinco medidas cautelares a Jacomussi, entre elas a suspensão, em caráter liminar, do exercício do cargo de prefeito. Mas a ordem também foi revogada por decisão, novamente, do ministro Gilmar Mendes, e Jacomussi conseguiu retornar ao cargo em 11 de setembro passado.

A PF destaca que dois pedidos de impeachment do prefeito foram rejeitados pela Câmara Municipal de Mauá por 22 votos a 1, exatamente o mesmo número de vereadores que, conforme com as planilhas apreendidas, recebiam propina do suposto esquema chefiado por Jacomussi.

A delegada Melissa Maximino Pastor, da Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros (Delecor), solicitou à Justiça o afastamento dos 22 vereadores suspeitos de envolvimento no esquema, mas o pedido foi negado. A juíza considerou que a medida poderia “acarretar uma completa situação de ingovernabilidade do município”.

Segundo o advogado de Jacomussi, Daniel Bialski, "estão usando os mesmo argumentos da prisão anterior e por esse motivo vou entrar com reclamação no STF porque aqueles foram afastados pela decisão que há tempos restabeleceu a liberdade”.

Nota da defesa de Átila Jacomussi

"Este novo e arbitrário decreto de prisão nada mais faz do que requentar fatos que já eram conhecidos e tinham motivado o decreto anterior que foi revogado pela Suprema Corte. Como o prefeito não descumpriu qualquer das medidas impostas, a defesa irá apresentar Reclamação perante o Supremo Tribunal Federal porque essa decisão afronta e desafia a Autoridade da medida antes concedida. Não é admissível dar uma nova roupagem para fatos pretéritos e conhecidos para se renovar o pedido de prisão. A medida além de ilegal, não possui lastro empírico e nem idônea motivação. Causa maior espanto quando verifica-se que o próprio Ministério Público Federal contestou a competência jurisdicional da Justiça Federal examinar a causa. Infelizmente, este é um triste sintoma do momento policialesco em que vivemos. Todavia, a defesa irá em todas as instâncias e graus combater essa arbitrariedade, buscando restabelecer a liberdade do prefeito"

Os investigados responderão, na medida de suas condutas, pelos crimes de organização criminosa, fraude a licitações e corrupção ativa e passiva, com penas de 1 a 12 anos de prisão.

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



Governo do Estado anuncia medidas para fortalecer o setor automotivo


Bolsonaro assina MP determinando que contribuição sindical deve ser cobrada por boleto


Lula volta para carceragem em Curitiba após cremação do corpo do neto


Lula acompanha velório do neto Arthur em São Bernardo


Turismo interno deve girar R$ 3,5 bilhões no estado do Rio de Janeiro


Balança comercial tem segundo melhor saldo da história para fevereiro